Sobre

A Presença das Formigas

A Presença das Formigas é uma banda portuguesa, cujas composições combinam elementos da música tradicional e popular portuguesa com influências do jazz, música erudita e músicas do mundo.

Tudo começa em 2009, quando recebem o Prémio Zeca Afonso no Festival Cantar Abril, com o tema original “O Rei (A Morna Indiferença)”.

O disco de estreia chega em 2011. Recebido com entusiasmo pela crítica especializada, Ciclorama conta com a participação de uma referência incontornável da música portuguesa, Amélia Muge, e do exímio Fraser Fifield, multi-instrumentista de sopros escocês.

Em 2012 actuam no Gouveia Art Rock, ao lado de bandas como The Strawbs e Focus. No seguimento dessa actuação recebem uma excelente crítica na prestigiada publicação britânica Prog Magazine.

Em 2013 e com nova formação que inclui a cantora Sara Vidal (Luar na Lubre), o projecto que viria a materializar-se no segundo trabalho discográfico é seleccionado pelo Centro Musibéria, em Serpa, para a primeira Residência de Jovens Criadores.

Surge então o CD Pé de Vento, lançado em 2014. Com um vasto leque de convidados, entre eles Luis Pastor (Espanha), João Afonso e João Paulo Esteves da Silva, o novo trabalho explora a temática da “partida”, as suas motivações e consequências, reflectindo acerca da actualidade, das relações humanas, do regresso à natureza, dos sonhos e aspirações.

Em 2015 são nomeados para a 14ª edição dos Independent Music Awards (The IMAs) nas categorias de Álbum World Beat com “Pé de Vento”, e Tema Instrumental com “Planície”. Este último vence o prémio Vox Pop. Em Setembro atuam na Bulgária, integrando o Fórum de Artes WithoutBorders.

Em 2016 Pé de Vento vê nova edição pela etiqueta alemã CPL Music, com distribuição em vários países da Europa.

André Cardoso guitarras
Miguel Cardoso baixo
Manuel Maio violino, bandolim
Rui Ferreira (Caps) teclados, acordeão
Rui Lúcio bateria
Sara Vidal voz

A Presença das Formigas é um verdadeiro OVNI da música portuguesa para onde confluem os arranjos, as dinâmicas e a estética do progressivo, a canção de intervenção no seu estado mais sofisticado, o extremo bom gosto e a elegância de arranjos que dão um ar muito mais refrescante à música popular feita em Portugal.

Luís Rei

Um grupo que trabalha temas originais, onde os impressionantes arranjos estão muito bem acompanhados de letras actuais e incisivas. A Presença das Formigas lança agora o segundo trabalho, chamado Pé de Vento, um belo disco que merece ser escutado do princípio ao fim com a maior das atenções.

Sopa da Pedra